Renault 19

desde 1989 lançamento

Reparo e operação do carro



Renault 19
+ Informação geral
+ Motores e o seu dispositivo
+ Supercarga do turbo
+ Sistema de um escapamento
+ Esfriamento de sistema
+ Sistema de provisão de poder
+ Sistema de injeção
+ União
+ Passeio (transmissão) e transferência principal
+ Suporte de forma triangular de interrupção e direção
+ Sistema de freios
+ Rodas e pneumáticos
+ Eletricista e engenheiro eletrônico
- Sistema de ignição
   Dispositivo de sistema de ignição
   Medidas de segurança durante o trabalho com ignição lEZ
   Bloqueio de ignição
   Pesquisa de maus funcionamentos
   Investigar em sistema de ignição
   Rolo de ignição
   Cheque do rolo de ignição
   Distribuidor de ignição
   Arames de alta voltagem
   Ordem de ignição
   Cheque de tomadas de faísca
   Características de tomadas de faísca
   As tomadas de faísca recomendadas
   Eliminação de maus funcionamentos
   Dispositivo de aquecimento preliminar
   Tomadas de incandescência
   Pesquisa de maus funcionamentos no dispositivo de aquecimento preliminar
+ Iluminação
+ Dispositivos e dispositivos
+ Aquecer-se e ventilação
+ Elementos de um corpo e salão
Diagnóstica do motor
Especificações




Sistema de ignição

Os elementos do sistema da ignição localizam-se em volta do módulo de ignição

1 — uma cobertura de distribuidor de ignição com arames elétricos e um rotor do distribuidor de ignição;
2 — contatam com a conexão a uma curva do sensor de impulsos;
3 — contatam com a conexão para mais "+", massas "-" e um tacômetro;
4 — um arame de alta voltagem do rolo de ignição;

5 — o rolo de ignição;
6 — o módulo de ignição;
7 — o sensor de impulsos;
8 — o sensor eletromagnético de velocidade de rotação de um pêndulo do motor.

Distribuidor de ignição

Os nós eletrônicos fornecem a emergência tudo as faíscas de ignição de recuperação no óleo Diesel motores de Renault 19. Graças a ele a exatidão surpreendente do momento da ignição em todas as partes de toda a vida útil do motor consegue-se. Contudo o velho rotor de rotação gentil no caso de distribuidor de ignição é responsável pela distribuição de categorias de faísca de cada cilindro, como antes.

Categoria de faísca

Para que em uma faísca liguem a câmara de combustão pode haver uma categoria de faísca, voltagem pelo menos 30.000 V entre eletrodos de vela são necessários. Como a bateria recarregável dá a tensão só de 12 V, portanto a sua tensão tem de ser considerável aumenta-se.

Além disso será uma pergunta da duração de categoria de faísca não no décimo e até não no 100o, e em mil de frações de um segundo. Por isso, até, a categoria última ou demasiado primeira mínima pode levar-se ao mau funcionamento da ignição e por isto à deterioração na operação do motor.

Ponto morto superior e momento de ignição

A categoria de faísca tem de acontecer no momento oportuno. O mais efetivamente a combustão acontece trabalhando a mistura inflama-se enquanto se comprime no espaço fechado. Tal momento em DVS de quatro ciclos descobrir a terminação do pistão de curso de compressão (o 2o passo) e antes de uma partida do movimento abaixo (um passo do curso de trabalho 3).

Antes da direção do movimento das modificações de pistão, ele uma fração de um segundo está em um estado imóvel no ponto mais alto do movimento. Este ponto chama-se "o ponto morto superior" (TDP).

Primeira ignição: o momento, ideal da ignição, é o momento no qual o pistão começa o movimento abaixo. A compressão é a maior, e o pistão está pronto ao movimento da energia da combustão do combustível abaixo. Mas seria erro de determinar o momento de ignição precisamente em VMT. Como trabalhando a mistura precisa de certo tempo (sobre segundos 1/3000) para ignição e desenvolvimento da pressão total da combustão. Assim, a ignição tem de ocorrer ligeiramente antes — chama "a primeira ignição". Por isso, o sinal da emergência da categoria de faísca transmite-se ao tempo do levantamento do pistão, contudo a pressão da combustão começa só a trabalhar depois de passar de VMT.

Com o aumento na quantidade de voltas do motor a faísca tem de decair antes e antes como a ignição da mistura de trabalho sempre necessita o mesmo tempo. Assim, a combustão tem de acontecer precisamente em certo tempo, a saber quando o pistão começa o movimento novamente abaixo. A velocidade da combustão da mistura de trabalho também depende da sua estrutura. Em não pedal de acelerador completamente apertado (underload) trabalhando a mistura em câmaras de combustão inflama-se pior; por isso, incendeia mais lentamente. Nesta ignição de caso também tem de ser antes.

Última ignição: em outras situações, ao contrário, é necessário determinar o momento de ignição a depois. Neste caso a ignição só ocorre quando o pistão já passou VMT. Executa-se quase durante um passo de lançamento que melhora a composição de gases de escape, contudo, reduções de capacidade ao mesmo tempo de motor. Por isso, a última ignição pode ler-se em voz alta norma se o motor funcionar sem carregar (por exemplo, durante a balança de uma altura sem apertar o pedal de acelerador).

Ignição eletrônica

A ignição é um componente de gestão de motor em todas as modificações de Renault 19. Que parecesse difícil, é, de fato, bastante simples: a ignição regula-se pelo mesmo monitor, que injeção. Tem a vantagem que ambos os sistemas podem a condição favorável construir-se um no outro. Além disso, para um smeseobrazovaniye e ajuste do momento da ignição os mesmos sensores podem usar-se.

No sistema da ignição com o controle digital eletrônico de IEZ (a Ignição Eletrônica Integrada) que trabalha mecanicamente houve só um distribuidor de ignição rotatório.

Assim há uma faísca

  • O princípio fundamental da ignição é que a corrente da bateria recarregável passa pela curva primária do rolo da ignição.
  • Esta curva compõe-se de vários círculos de um arame grosso. Na influência da corrente elétrica em volta de um núcleo de ferro no rolo da ignição o campo magnético forte da ignição da mistura de trabalho forma-se.
  • Quando o pistão no cilindro aproxima a ignição de transformação de ponto do longe tomado e comprimiu a mistura de trabalho, a saber na hora da ignição, a oferta da corrente elétrica ao rolo da ignição interrompe-se. Ocorre na ordem do monitor no módulo de ignição.
  • Com o apagamento da corrente elétrica o campo magnético no rolo da ignição desaparece. Ao mesmo tempo há o seguinte: na curva secundária composta de um grande número de círculos de um arame fino há um impulso de uma corrente de alta tensão em vários miles volts.
  • Esta tensão move-se via o distribuidor de ignição para aquela tomada de faísca que (como a ignição dá passos) somente tem de trabalhar. A mistura de trabalho inflama-se, o motor vira-se além disso. A cadeia elétrica fica isolada, e o ciclo repete-se.